Os astros e os metais: simbologia

O Universo é dotado de simbologia, principalmente nossa sociedade. Basta você perceber que as letras que compõe as palavras deste texto são apenas rabiscos que aparentemente possuem significado.

A magia é a arte de simbolizar. Sem a simbologia, talvez a magia não existisse. É sobre a simbologia dos planetas que abordarei neste post.

Em magia, os símbolos servem para designar uma meta. Por exemplo: existe magia relacionado a cura, ao amor, aos conflitos, ao psíquico, etc… Essas “esferas” são as áreas do comportamento humano. No livro Liber Null, Carrol chama de mapas mentais ou psicocosmos que são consultados quando desejamos invocar alguma qualidade específica.

Mapas mentais

Figura 1 – Mapas Mentais – Liber Null

Se colocarmos em um esquema, veremos um padrão bem definido. Isso nos ajuda a realizar o ato de magick. Ao fazer um ritual, sabemos que cor usar, que dia é o mais favorável, a hora, etc… Isso por que são símbolos que auxiliam a nossa mente ficar condicionada.

Você já deve ter percebido que os dias da semana estão associadas por algum astro. No inglês fica mais fácil:

Sunday (domingo)

Monday (Segunda-feira)

Tuesday (Terça-feira)

Wednesday (Quarta-feira)

Thursday (Quinta-feira)

Friday (Sexta-feira)

Saturday (Sábado)

Sunday significa o dia do Sol (Sun=Sol; Day=Dia), Monday é o dia da Lua (Moon=Lua; Day= Dia), etc…

Cada dia da semana foi então associada à um astro. Agora se você notar, os astros são associados em alguma esfera do comportamento humano.

O Sol é associado à riqueza. Por ser amarelo como o ouro, provavelmente.

A Lua é ligada ao psíquico, mente e subconsciente. Sua cor pode ser branco ou prata.

Marte é relacionado às guerras, conflitos, etc. Sua cor é o vermelho.

Mercúrio é o astro do conhecimento. Hermes é o “Deus” desse astro, sendo a sabedoria, conhecimento, o raciocínio científico, etc. Sua cor é laranja.

Júpiter é direcionado à corte, relações, política, colaboração e parcerias. Sua cor é o azu índigo (outras literaturas trazem apenas azul).

Vênus é o astro e deusa do amor. Sua cor é o rosa. Note que é sexta-feira e geralmente as pessoas se encontram neste dia.

Saturno é associado ao fim, término, obscuridade, proteção, reinício… Sua cor é o preto.

Talvez essas associações decorrem de tempos remotos, já que até 1600 se conheciam apenas 8 astros: estes citados acima mais a própria Terra.

Na mitologia Suméria o planeta “Marte” foi local de batalha, podendo ser um princípio da associação com conflito (eu li isso no Livro Perdido de Enki).

Cada planeta está associado à um metal e novamente os metais conhecidos na época era bem escasso quando comparado com os dias atuais.

O Sol era relacionado ao ouro, a lua à prata, Marte ao ferro, mercúrio ao planeta de mesmo nome, Estanho a Júpiter, cobre à Vênus e chumbo à Saturno.

O Ferro quando oxidado tem coloração vermelha (um dos tipo de óxido de ferro, a goetita para ser mais específico). Mas o ferro também era usado em batalhas e nas guerras. Apenas uma coincidência?

A prata se parece com a cor da lua, um branco opaco brilhante. A lua é associado a delírios e a manias, da qual se o prata for ingerido, também causa delírios e confusões mentais.

O cobre é um material maleável e fácil de trabalhar, imitando as relações humanas.

Diante disso tudo, nota-se uma associação simbólica fortíssima. Talvez tenha sido tudo inventada. Os efeitos são apenas mentais. Nem citei as pedras e cristais.

Assim como existe uma relação entre os astros, existe para cores, para linhas, geometrias, elementos, para qualquer coisa. Quanto mais elementos em um ritual, mais forte ele será. Pois cada apetrecho é reconhecido pela mente e identificada o subconsciente.

É possível dar novas atribuições aos existentes e assim ser expandido. Também é possível criar novos símbolos às definições já existentes. Esse é a verdadeira magia!