Os astros e os metais: simbologia

O Universo é dotado de simbologia, principalmente nossa sociedade. Basta você perceber que as letras que compõe as palavras deste texto são apenas rabiscos que aparentemente possuem significado.

A magia é a arte de simbolizar. Sem a simbologia, talvez a magia não existisse. É sobre a simbologia dos planetas que abordarei neste post.

Em magia, os símbolos servem para designar uma meta. Por exemplo: existe magia relacionado a cura, ao amor, aos conflitos, ao psíquico, etc… Essas “esferas” são as áreas do comportamento humano. No livro Liber Null, Carrol chama de mapas mentais ou psicocosmos que são consultados quando desejamos invocar alguma qualidade específica.

Mapas mentais

Figura 1 – Mapas Mentais – Liber Null

Se colocarmos em um esquema, veremos um padrão bem definido. Isso nos ajuda a realizar o ato de magick. Ao fazer um ritual, sabemos que cor usar, que dia é o mais favorável, a hora, etc… Isso por que são símbolos que auxiliam a nossa mente ficar condicionada.

Você já deve ter percebido que os dias da semana estão associadas por algum astro. No inglês fica mais fácil:

Sunday (domingo)

Monday (Segunda-feira)

Tuesday (Terça-feira)

Wednesday (Quarta-feira)

Thursday (Quinta-feira)

Friday (Sexta-feira)

Saturday (Sábado)

Sunday significa o dia do Sol (Sun=Sol; Day=Dia), Monday é o dia da Lua (Moon=Lua; Day= Dia), etc…

Cada dia da semana foi então associada à um astro. Agora se você notar, os astros são associados em alguma esfera do comportamento humano.

O Sol é associado à riqueza. Por ser amarelo como o ouro, provavelmente.

A Lua é ligada ao psíquico, mente e subconsciente. Sua cor pode ser branco ou prata.

Marte é relacionado às guerras, conflitos, etc. Sua cor é o vermelho.

Mercúrio é o astro do conhecimento. Hermes é o “Deus” desse astro, sendo a sabedoria, conhecimento, o raciocínio científico, etc. Sua cor é laranja.

Júpiter é direcionado à corte, relações, política, colaboração e parcerias. Sua cor é o azu índigo (outras literaturas trazem apenas azul).

Vênus é o astro e deusa do amor. Sua cor é o rosa. Note que é sexta-feira e geralmente as pessoas se encontram neste dia.

Saturno é associado ao fim, término, obscuridade, proteção, reinício… Sua cor é o preto.

Talvez essas associações decorrem de tempos remotos, já que até 1600 se conheciam apenas 8 astros: estes citados acima mais a própria Terra.

Na mitologia Suméria o planeta “Marte” foi local de batalha, podendo ser um princípio da associação com conflito (eu li isso no Livro Perdido de Enki).

Cada planeta está associado à um metal e novamente os metais conhecidos na época era bem escasso quando comparado com os dias atuais.

O Sol era relacionado ao ouro, a lua à prata, Marte ao ferro, mercúrio ao planeta de mesmo nome, Estanho a Júpiter, cobre à Vênus e chumbo à Saturno.

O Ferro quando oxidado tem coloração vermelha (um dos tipo de óxido de ferro, a goetita para ser mais específico). Mas o ferro também era usado em batalhas e nas guerras. Apenas uma coincidência?

A prata se parece com a cor da lua, um branco opaco brilhante. A lua é associado a delírios e a manias, da qual se o prata for ingerido, também causa delírios e confusões mentais.

O cobre é um material maleável e fácil de trabalhar, imitando as relações humanas.

Diante disso tudo, nota-se uma associação simbólica fortíssima. Talvez tenha sido tudo inventada. Os efeitos são apenas mentais. Nem citei as pedras e cristais.

Assim como existe uma relação entre os astros, existe para cores, para linhas, geometrias, elementos, para qualquer coisa. Quanto mais elementos em um ritual, mais forte ele será. Pois cada apetrecho é reconhecido pela mente e identificada o subconsciente.

É possível dar novas atribuições aos existentes e assim ser expandido. Também é possível criar novos símbolos às definições já existentes. Esse é a verdadeira magia!

O Homem como o Centro do Universo

É observável a precipitação nos significados dos conceitos e o uso de certas práticas mágicas. O Homem visto pela a sociedade é apenas uma criatura. Não esqueça que você  é humano e as atribuições que contém uma criatura dessa são complexas.

A mente é a chave para todo e qualquer processo. Não é necessário estudar psicologia, filosofia ou qualquer método científico para compreender o potencial da mente. Claro que estudar um pouco disso e daquilo ajuda, mas não restringe. A meditação lhe fornecerá muitas respostas. O iniciante nas artes ocultas é bombardeado com dúvidas e questões que dificilmente é encontrado em um lindo parágrafo de um lindo texto perfeito. Às vezes a resposta surge do vendedor de sorvete da esquina.

Toda ferramenta que o Homem necessita encontra-se nele mesmo. É o chamado microcosmo por que é um universo. Cada ser humano é o centro de seu universo e a interação com outros universos é conhecer. O construir do saber é um ato de evolução. A mente analítica precisa de dados para tirar conclusões. Além da mente outra ferramenta importante em magia é o verbo.

Existe também no homem uma força análoga à da natureza, e esta

força é a razão ou o verbo do homem. O verbo do homem é a expressão da

sua vontade dirigida pela razão.

Eliphas Levi – Dogma e Ritual de Alta Magia

Diga-se de passagem, que a mulher fala muito (estudos comprovam isso), mas nem por isso faz disso a natureza feminina mais poderosa. Na verdade o homem que fala demais também não significa sinônimo de poder. O que quero dizer é que o verbo sem um destino ou propósito é um desperdício de energia.

Magia é o uso e emprego da Vontade. É necessário colocar em prática a vontade e ai entra o verbo como uma das ações físicas da Vontade. Verbalizar é dar a ordem ao cosmo de sua vontade. O que faz de muitos não conseguir o que almejam é que estes acabam confusos e não sabendo o que realmente querem. Meditar para saber o que realmente se quer e dizer: eu quero tal coisa. De forma simples e objetiva.

A luz incriada, que é o Verbo divino, irradia porque quer ser vista; e

quando diz: “Faça-se a luz!”, ordena aos olhos que se abram; criam

inteligências.”

Eliphas Levi – Dogma e Ritual de Alta Magia

O Homem como centro do seu próprio universo. É isso que é preciso ver e sentir. A escravidão de almas é uma prática muito comum. Principalmente quando se ama. Os amantes esquecem-se de se amar e saem de seu universo deixando-o sem administrador. Impulsos, desejos, dores e sofrimento tomam posse desse universo sem dono.

O corpo humano está submetido, como a terra, a uma dupla lei: atrai e irradia”

Eliphas Levi – Dogma e Ritual de Alta Magia

Toma-se referência os grandes mestres do passado. Dominar a si próprio é um dos primeiros quesitos. Não se pode dominar a natureza externa sem antes dominar a própria. A preguiça, a lerdeza, o desânimo deve-se ser evitado e extinguido, caso contrário jamais será um verdadeiro mago, já dizia Eliphas Levi.

MAGIA DOS CHAKRAS

Chakras em sancristo significa roda. É um vórtice no corpo etérico do Homem. São responsáveis pelo fluxo energético da vitalidade e ondulações de pensamentos e emoções ao corpo. São também centros de força.

Quando desenvolvidos várias habilidades (físicas e psíquicas) são acentuadas. O mago e sua evolução espiritual acabam desenvolvendo esses centros e ai que ele acaba possuindo tais poderes.

Há sete centros de forças (chakra):

Chakra – Sâncristo

  1. Fundamental, básico ou raiz – Muladhara
  2. Esplênico – Swadhisthana
  3. Umbilical – Manipura
  4. Cardíaco – Anahata
  5. Laríngeo – Vishuddha
  6. Frontal – Ajna
  7. Coronário – Sahsrara

O chakra fundamental é  mais inferior (no sentido de localização) situado na base da espinha dorsal absorve energia primária do duplo etérico (akasha) e distribui. Sua cor é o vermelho ou preto. Relacionado ao elemento Terra, é responsável pela saciedade dos desejos e instinto de sobrevivência.

O esplênico especializa, subdivide e difunde a vitalidade vinda do Sol. Situa-se próximo ao órgão genital, acima do osso púbico. Responsável pela criatividade, sexualidade, sensualidade, capacidade de sentir emoções, etc. Sua cor é a laranja e associado ao elemento água.

O chakra Umbilical, localizado no plexo solar, recebe a energia primária e subdivide em dez radiações. Relacionado aos sentimentos e emoções de diversas índoles. A sua cor abrange matizes de vermelho e verde e associado ao amarelo. O fogo é o elemento associado a esse chakra. Quando o mago trabalha na sua personalidade a qualidade de benevolência, compaixão, perdão entre outros, está trabalhando com esse chakra. Afeta a circulação sanguínea e o sistema cardiorrespiratório.

O chakra de número 4 é o cardíaco, cor de ouro e subdivide a energia primária em doze ondulação, localiza-se entre os mamilos. O elemento Ar é atribuído à esse chakra e associado ao amor abnegado pela transcendência do ego e do julgamento. Quem tem esse centro ativado é capaz de amar os outros e a si próprio.

Vishuddha, ou o chakra laríngeo subdivide os raios recebidos em dezesseis. Localizado na garganta possui a cor azul turquesa. A esse chakra, segundo Eduardo Coelho, o elemento Akasha é atribuído. A comunicação é sua natureza.Quando bem desenvolvido pode despertar a habilidade da fala, honestidade, lealdade, sabedoria e o uso correto do conhecimento.

O chakra frontal conhecido como o terceiro olho, localizado enre as sobrancelhas, possui 96 ondulações. O azul índigo é a sua cor e a Luz é o elemento atribuído a esse chakra. Quando bem desenvolvido desperta no indivíduo a telepatia, clarividência, a intuição e o desenvolvimento mental.

O sétimo centro de força, o coronário localizado no topo da cabeça é responsável pelo desenvolvimento espiritual. Geralmente ele é o último que se atualiza. Contém 960 ondulações, demonstrando o quão alto é sua vibração. É o chakra por onde penetra a energia cósmica. Possui atribuição de irrigar energeticamente o cérebro, a projeção da consciência, memória, etc. Permite a unificação do Eu superior com a personalidade humana, união com o infinito, vontade espiritual e inspiração.

Se diz que os chakras são separados em três categorias: inferior, médio e superior, da qual respectivamente associado ao filosófico, pessoas e espiritual.Os chakras 1 e 2 transferem para o corpo o fogo serpentino da terra e a vitalidade do Sol. Os chakras 3, 4 e 5 agem na força que o ego recebe por meio da personalidade. O terceiro e o quarto estariam relacionado ao mundo astral e o quinto ao mental. O sexto e o sétimo, sento totalmente independentes estariam atribuídos a função do corpo pituitário e a glândula pineal (atenção aos Discordianos!!) e grau espiritual.

A energia ou força que no hermetismo é recolhido do akasha é absorvida pelos chakras. O desenvolvimento dos chakras é o que permite o mago conceber poder. Aconselho ao leitor buscar mais informações a respeito dos centros de força e assimilar com outras atribuições e rituais da Golden Dawn, por exemplo.